#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

17.5.09

Raízes






Seduzidos por estas propagandas, famintos, sonhando com a construção de uma vida, assim vieram eles para começar nossas histórias.


E o passsaporte era ... coletivo, um para a família inteira.

27 comentários:

roserouge disse...

A globalização é um fenómeno muito antigo, desde o princípio dos tempos. Só que agora anda mais rápido. E esses aí foram famintos, principalmente, com a Europa sempre em guerra. A 1ª e depois a 2ª Grande Guerra... (só o nome assusta). Mas ainda bem que foram, senão agora não tínhamos Peri.

peri s.c. disse...

RR
Ou talvez o Peri estivesse aí pela Itália mesmo, se fosse possível que o "nonno" do Veneto tivesse conhecido a "nonna" da Lombardia e o outro "nonno" da Campagnia tivesse conhecido a "nonna" de Molise. E depois seus filhos se conhecido ... enfim como sou resultado de uma síntese de norte-a-sul-passando-pelo-meio da Itália, essa globalização interna de sangue italiano só deu certo por aqui mesmo. Va benne cosi.

Silvares disse...

O mar sempre foi um mero pormenor.

Eduardo P.L disse...

E uma coisa curiosa é como muitos descendentes de italianos, no Brasil, continuam cultuando as origens! Como sou mestiço...

peri s.c. disse...

Silvares
Um largo pormenor, eh, eh.

peri s.c. disse...

Eduardo
A italianidade passa de geração a geração, está no sangue que ferve ( de vez em quando, mas ferve ), na emoção ante uma "pasta" ou uma pizza, nos sentimentos arrebatados ( mesmo que homeopaticamente ) y otras cositas más.
Não há quem aguente a malemolência constante, tocar tamborim e pandeiro todos os dias, almoçar e jantar arroz-feijão-bife-batata frita sempre,etc,etc,etc, ah, ah


E hoje em dia, " orgulho de ser brasileiro" acho que só no slogan do Grupo Pão de Açucar, cujo fundador paradoxalmente é português.

roserouge disse...

Com os portugueses é a mesma coisa. Uma das dificuldades que nós temos no estrangeiro é não conseguir encontrar bacalhau decente... ai, uma boa bacalhauzada faz tanta falta...
Esse pormenor do passaporte é delicioso. Até porque as mulheres não podiam viajar sózinhas sem os maridos, ou sem a sua autorização por escrito...rsrs

Patty Diphusa disse...

Foto da família Peris? Legal, tem um lourinho isolado na ponta.

Olha, tbem tenho um pouco de sangue italiano então posso falar, esses meninos dariam um belo time de futebol com a camisa verde e amarela, hem?

Bjs

peri s.c. disse...

RR
Pelas informações que tenho o bacalhau daí é insuperável.
Nas "pastas" a italianada da Bota continua à frente, mas nas pizzas aqui em São Paulo, se souber escolher o lugar, pizzas melhores que a maioria das de lá, schelerp.

Marcio Gaspar disse...

o lado sobrio dessa história é que essa imigração européia foi incentivada com o intuito de substituir os escravos negros, 'libertados' no final do século anterior. a imigração européia muito ajudou o brasil, mas para os negros 'libertos', foi a consumação de uma desgraça cujas consequências sofremos até hoje.

Marcio Gaspar disse...

o lado SOMBRIO, eu quis dizer...

peri s.c. disse...

Patty
Só se fosse por um inacreditável acaso.

Falando de Futebol a seleção possível para essa garotada aí seria a de 34 ou 38.
Em rápida pesquisa na Wikipedia ( que deveria ter o setor " Ludopédia "), tão lá os "oriundi":
A de 34 tinha o Canalli e o Átilla.
A de 38 o Romeu Pellicciari.
O Romeu ficou famoso pela sua jogada "Passo de Ganso", hoje chamada por essa crônica esportiva que desconhece o passado com "pedalada".
( Êta cultura inutil )

bjs

peri s.c. disse...

Marcio

E bota sombrio nisso.
Sem querer atiçar a lenha da fogueira,mas como é uma discussão que aí está, sempre achei que os descendentes destes imigrantes também mereceriam um sistema de cotas, particularmente para os que vieram trabalhar nas fazendas de café, que em relação ao trabalho escravo só escaparam mesmo foi do pelourinho e substituiram a feijoada pela polenta.

googala disse...

è peri, vide os mattarazzo, aqueles pobrecos cafeicultores.
ahahahaha

peri s.c. disse...

Googala
Toda regra tem suas exceções, Guga.
A minha familía, como a da maioria dos imigrantes, está na regra, não na exceção. Meu avô pegou no vabo de guatambu de uma enxada desde os 6/7 anos ( oops, exploração do trabalho infantil ? Nossaaaa! ), até os 18/19 quando fugiu ( é, fugiu, eles fugiam das fazendas ) prá SP virando o que hoje seria "homeless " dos anos 20.
E a história do Matarazzo é curiosa, ele chegou no Brasil com um carregamento de banha, que foi descarregado do navio por uma chata que afundou, ele perdeu tudo. Começou de novo do zero.Pelo menos é o que conta a biografia, autorizada?

peri s.c. disse...

oops , correção :" cabo de guatambu "
( rijo, mas nem um pouco latejante)

anna disse...

e la nave va...

peri s.c. disse...

Anna
La nave è arrivata .

Selena Sartorelo disse...

Olá Peri,

Li a propaganda e se disser que não pensei imediatamente coisas semelhantes e mais tarde leria o nas palavras do Marcio,estaria mentindo. Mas depois preferi sonhar, lembrar das histórias dos meus avós, das misturas da minha família...porém depois de já estar sonhando não foi que o Marcio me acordou...Mas hoje escolho apenas sonhar.

Beijos,
Selena

claudio boczon disse...

c'a polacada daqui da colónha não foi diferente...

...do widzenia!

googala disse...

Peri, acredito.
Mais uma razão das cotas para negros. Eles não tinham a possibilidade de "fugir".
abraços palestrenses

peri s.c. disse...

Selena
O Marcio tem razão, foi cruel tudo isso.

bjs

peri s.c. disse...

Boczon
Foram uns valentes esses nossos ancestrais.
Hoje o "povo", muito bem alimentado e agasalhado, esperneia se o avião prá Europas atrasa 3 horas.

peri s.c. disse...

Guga
Se as cotas são a solução que sejam amplas e irrestritas, ou seja, sociais, não são só os negros que tem que ter sua dignidade resgatada, basta dar um giro pelas periferias. Ou um voltinha pelo centro da cidade.

Selena Sartorelo disse...

Sim Peri,

Essa razão é inegável.E concordo com o que diz.

beijos

peri s.c. disse...

Selena
Democracia deveria ser isso.

bjs

googala disse...

Não acho mesmo que cota seja solução de nada. Acho na verdade um malnecessário e que urge.
Concordo com vc. Também mereçemos a nossa. Como arquitetos...
ahahahahabraços