#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

13.1.11

Um giro muito giro - 5

E vamos à luta .
O lindo dia promete .

Descer a Rua do Salitre e encarar a cidade .

Na Av. da Liberdade o primeiro contato com as cortantes e
fotográficas luzes invernais



Nos postes a memória das grandes navegações


O primeiro beco

O primeiro ícone turístico .
O vandalismo dos pichadores já está globalizado, uma pena

A primeira perspectiva da Baixa

A primeira " loggia "


O grande arco


Espaços, céus, luzes


Um tipo muito particular


Quando um prédio encontra-se com outro


26 comentários:

Li disse...

saudade desse céu de Lisboa...

Eduardo P.L disse...

Esta muito boa, crítica, e bem humorada sua REPORTAGEM sobre o GIRO!Como se percebe nas imagens, como eu, acorda cedo e fotografa as cidades dormindo, nas primeiras horas da manhã!

jugioli disse...

Lindo e produtivo roteiro. Você até encontrou um armazén!!!!
Bjs

WJ disse...

Fotos lindas, belas paisagens, bela viagem.
A agencia de turismo é ótima..

Abç,
WJ

Silvares disse...

Essa Lisboa estava mesmo de férias. Isso foi no dia 26 de Dezembro? No Natal os habitantes de Lisboa vão passar uns dias à sua terra. Uma coisa normal. Há muitos mais emigrantes em Lisboa do que naturais da cidade. Portugal inteiro cai para dentro da sua capital. E os que vêm de outros países também caem quase todos por ali. Lisboa é uma espécie de grande buraco onde vão caindo pessoas que chegam voando dos quatro cantos do mundo.

roserouge disse...

De facto, Lisboa tem uma luz muito especial. Todo esse estuário aí aos pés da cidade reflecte e ilumina tudo. Que reportagem maravilhosa, Mauro! Interessante ver a nossa cidade sob os olhos de um forasteiro! Sim, porque nós estamos aqui o ano todo e há coisas que nem sempre temos tempo de reparar...

peri s.c. disse...

Li

Lindíssimo céu de inverno, azul profundo.

peri s.c. disse...

Eduardo
Obrigado, difíl é selecionarentre as mil e trocentas fotos quais exibir ...
E tem mais varais para você.

Mme. S.C. considera que quando se está na Europa se dorme em Euros, portanto : acordar cedo !

peri s.c. disse...

Valeu, Jlu, e ainda tem muito mais.
Inclusive aramazéns, eh, eh

peri s.c. disse...

WJ

A gerente da agência é que é boa, não fosse ela essa viagem não teria rolado .
E continue a acompanhar a saga.

peri s.c. disse...

Silvares
Acertou, essa série é do dia 26, mesmo.
Pela manhã Baixa e Chiado, bucólicos.
À tarde,Belém fervilhava . Na central do Pastel de Belém , filas enormes pela calçada. Mas os pastéis .... quentinhos.

peri s.c. disse...

Roserouge

Prá quem blogamos ?
Primeiro para nós, claro .
Uma pequena memória de insights dos dias.
Mas também para determinados outros que sabemos que vem dar uma olhada em nossos blogs e às vezes comentar.

Essa série aqui me causou ( está me causando ) uma certa confusão mental.

Vou direcionar para aquela meia dúzia de três ou quatro amigos portugueses exatamente dentro dessa ótica que você citou " nossa cidade vista por um forasteiro " ?

Ou para aquela dúzia de sete ou oito fregueses aqui do Patropi, com uma visão mais banal, "turística " ?

Estou tentando optar pelo meio do caminho, mas como sempre mais insinuando que devassando.

João Menéres disse...

Nem sabia dos sabonetes Santa Iria !!!

Faça para os dois tipos de clientela, Mauro.

Ab.

peri s.c. disse...

João

Os sabonetes Santa Iria podem não ter sido um sucesso de vendas mas este cartaz em azulejos é o máximo !

Estou tentando João fazer para os dois !

João Menéres disse...

Foi isso que eu achei dele.
Por isso o destaquei.

peri s.c. disse...

Pois é João, lindíssimo.

Fui na Wikipedia procura referências desta Santa Iria, tem umas histórias muito interessantes . Seu nome evolui para Sancta Irene e daí sai o nome Santarém.

Silvares disse...

Os pastéis de Belém são uma espécie de glória do Império Perdido (ficam junto à Praça do Império). Talvez por isso saibam tããããão bem.

expressodalinha disse...

Bons pormenores e excelente foto do Arco. Sabia que o Terreiro do Paço/Praça do Comércio é arquitectura maçónica? Pois é...

peri s.c. disse...

Silvares

Que pelo menos permaneçam bons traços dos Impérios Perdidos .

Provei uma quantidade significativa destes pastéis sempre que estava por perto de algum , de Lsiboa ao Porto e nas escalas intermediárias.
De fato esses de Belém ( em Belém ) são os melhores, inclusive porque sempre quentinhos ( pelo menos nas duas vezes que fui lá ), hummmmm ....

peri s.c. disse...

Jorge

Adoro pormenores.

Não sabia .
E estou cada vez mais alerta com isso, procurando sinais por toda parte, eh, eh.

João Menéres disse...

Agradeço a informação sobre a evolução do nome dos sabonetes.
Também ignorava essa de Santarém.
Nada como um turista atento para nos ensinar !

peri s.c. disse...

Caro João

Atento é você .
Estranhei quando você escreveu " Iria ", para mim, desatento, era Santa Iris. Aí fui pesquisar na Wikipedia a tal Iria que nunca tinha ouvido falar e cheguei à história .
abraço

João Menéres disse...

Em Fátima não ouviu falar da COVA SE SANTA IRIA ?
É na Rotunda Sul.

peri s.c. disse...

Não João. E Santa Iria é desconhecida para nós, aqui.
Chegamos à Fátima ao anoitecer, choveu muito,conhecemos as Basílicas em plena noite chuvosa e saímos logo cedo em meio de denso nevoeiro, já que tínhamos um dia cheio de grandes atrações pela frente : Tomar, Batalha e Alcobaça .
Não houve tempo nem para fotos diurnas da impressionante praça nem para grandes especulações sobre a cidade.

Lina Faria disse...

Peri,
Viagem é isso. São fotos feitas do ângulo do observador, mesmo.
Principalmente quando em família, o mais importante é a emoção compartilhada.Ótimo o roteiro da tua viagem. Ótimas suas observações arquitetônicas e gastronômicas.
Adorei o azulejo e a história do sabonete.
Lembrei-me de Manoel Bandeira e suas moças do Sabonete Araxá. hehehe...
Continue mostrando esse giro giro pra nós.

peri s.c. disse...

Lina

Maior responsabilidade exibir fotos quando temos como clientes aqui do Armazém fotógrafos do seu porte, assim como O João Menéres e o Jorge.

Amo fotografia porque as emoções do momento fotografado permanecem e se aprofundam cada vez que as olhamos.

E o giro vai continuar, uma ótima canseira o trabalho de selecionar o que mostrar entre tanto material feito.