#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

27.3.10

Viver como um tatu


Melhor se for na Suiça, você será um tatu elegantésimo .



Esse sim um projeto que de acordo o velho jargão arquitetônico : "
a edificação se desenvolve em torno de um atrium" ( no caso, meio atrium )



Interessante é que quando vier a avalanche, a neve não derruba a casa, entope.





No esquema em perspectiva, a casinha "normal" anexa é um antigo celeiro existente no terreno.
Reformado, é o hall de entrada para a casa, acessada via o túnel.


criativo e belo projeto da Christian Müller Architects

15 comentários:

Eduardo P.L disse...

...e há sempre a possibilidade de guardar o carro no meio-atrium e dormir na garagem!

peri s.c. disse...

Edu
É curiosa a solução da garagem. Talvez quisessem carros longe.

peri s.c. disse...

Edu, corrigindo após ler mais atentamente o site dos arquitetos :
A pequena construção "normal" na verdade já existia e era um pequeno celeiro. Ele foi reformado e é o hall de acesso à casa, via um túnel.
O carro fica para fora.

wrbano disse...

Mais um exemplo de arquitetura ecológica, térmicamente deve ser fantástica.

Ou é uma releitura das casas dos hobbits (a do Bilbo era bem parecida). rsrsrs.
WJ

peri s.c. disse...

WJ

Termicamente perfeita .

Releitura de alguns ajuntamentos humanos lá dos Orientes, encravados em montanhas. Vou pesquisar para futuros posts.

Lina Faria disse...

Peri,
eu teria que ligar prá minha amiga Zulmara e pedir a biografia,mas soube por ela que os indios Carijó, que ocupavam o litoral sul do Brasil no periodo pré - colombiano, cavavam um retâgulo no chão demarcando o espaço privado da família. Teriam começado a fazer utensílios de barro a partir do que extraiam para dar espaço ao abrigo tatu.
Tem lógica.

Lina Faria disse...

Pery,
Desculpe, vou pedir a bibliografia não biografia à antropóloga Zulmara Pozzi.

peri s.c. disse...

Lina
Interessante essa história dos carijós.

Murar em buraco não é lá grande novidade. Foi o abrigo inicial da espécie humana.
Estaríamos voltando às origens ?

peri s.c. disse...

Oops,corrigindo :

" Morar em buraco .... "

Lina Faria disse...

Peri,
Poi se pensarmos nas cavernas, sim.
Eu acho que estamos mesmo involuindo.
Os mocós, onde eles fazem um buraco no emparedamento das janelas das casas antigas, entram e ocupam um buraco e marcam com sinais "rupestres", é um exemplo...

claudio boczon disse...

paca tatu,
cotia não?

anna disse...

duro deve ser levar as compras do super até a bela e redonda casa.
ou as traquitanas de bebê recém nascido.

peri s.c. disse...

Lina
Aqui em SP fazem pequenos buracos nas paredes de cabeças de viadutos, transformando estes espaços em moradias. Vem a Prefeitura, tapa os buracos. Dura um ou dois dias...

peri s.c. disse...

Boczon

A famosa " paca, tatu cotia não" quase foi o título deste post , eh, eh

peri s.c. disse...

Anna
E as caixas de cervejas ? E as picanhas e os carvôes ( essa casa tem churrasqueira !)?

Rapadura é doce, mas não é mole...