#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

18.2.10

Vai que vai

Pegue essa maravilha da moderna tecnologia automobilística que você tem na garagem, com motor flex de cento e tantos HPs, 16 válvulas, freios ABS, injeção eletrônica, 28 air-bags, ar condicionado digital, faróis de xenon, cambio pentatronic sequencial, altura de banco e direção reguláveis, retrovisores elétricos, sensores de marcha-à-ré, e plásticos, muitos plásticos, use-o por 80 anos e depois tente repetir o passeio que este arquiteto de Mairiporã fez com seu ..... Fordinho 1929 placa preta, agora em Dezembro .


9.200 km em 24 dias. Média de 383, 33 km/dia . Velocidade máxima 70 km/h ( na descida? ). Foi lá em cima, no Altiplano Andino, ver qual a cara do deserto do Atacama, divertindo-se com temperaturas que variaram de -7º a 44º C.

Pois o velhinho resistiu. E muito bem. E teve só dois probleminhas : um pneu furado e uma solda numa pequena rachadura no coletor do escapamento .
A matéria completa sobre a viagem, sugestivamente, saiu no Caderno de Economia do Globo, aqui o link.

Passei a olhar meu jovem carro com 10 aninhos de idade com outros olhos, eh, eh.

E fico aqui matutando : minha primeira câmera fotográfica, mecânica, uma Pentax durou uns 25 anos. Minha primeira digital, uma maravilha tecnológica, uns 4. É o progresso.


PS : Placa preta : carros com pelo menos 30 anos de idade e com todas as características originais preservadas.
Para quem estiver interessado, um Fordeco desses, vale uns R$ 50.000,00

25 comentários:

anna disse...

lembrei do marido, que durou 19 anos.

peri s.c. disse...

Anna

Ah, ah.
Não pode forçar. Marido não dá prá retificar motor, trocar amortecedores, fazer rodízio de pneus, limpar carburador, trocar platinado, "fazer" os freios, tirar os pontos de ferrugem, etc, etc.
Algumas tentam dar um polimento, mas nem sempre resolve.

jugioli disse...

Adorei o comentário da Anna, o meu já está acima disso...
Linda postagem, o preservar, a valorização, no tempo das memórias curtas deste século.

bjs.

Ery Roberto Correa disse...

Peri, a minha foi uma Olimpus Pen. Ganhei-a lá por volta dos primeiros anos da década de 70. Ainda a tive guardada até uns dois anos atrás. Funcionandinho que era uma beleza.

Durou mais que meus carros, mais que meu primeiro casamento, mais até do que minha própria paciência (e meu nome é Jó!)

peri s.c. disse...

Ju

Com a minha também bati o record da Anna .

Nossas memórias cada vez mais curtas.
bjs

peri s.c. disse...

Ery

Temos também uma Olimpus Pen, na coleção de equipamentos fotográficos do Museu P.S.C.
Com uma boa limpada deve voltar a funcionar. Maquinas teimosas essas antigas.

Lina Faria disse...

Peri,
Gracinha, carro e condutor.
Um sobrinho, menino de 26 anos, doutor em mecatrônica, me aconselha:
evite comprar qualquer coisa que tenha "placa mãe", porque mãe morre...

Olha,as câmeras mecânicas foram feitas para durar.
Usei uma Leica m3, com uma maravilhosa 21mm, onde fiz as melhores fotos da minha vida.
Vendi-a para comprar uma Pentax 6x7 que não me desfaço.

Mas, inexorável, tudo segue.
Às vezes retemos e até usamos com sucesso algumas reliquias, como o senhor do fordeco.
Marido não vem com certificado de garantia, então não vale...

peri s.c. disse...

Lina
Placa-mãe morre, mas você pode trocar, pior quando morre o HD e você esqueceu de fazer backups ( e backups dos backups )

Leica : um distante sonho de consumo.

Relíquias são da época que não havia a tal " obsolescÊncia programada ", portanto com algum carinho, podem durar muito, muito tempo.

Maridos, mulheres, filhos, parentes , amigos ... a vida ... nada disso tem certificado de garantia. Êta .

Silvares disse...

É bem observado. E a nossa sociedade global? Quanto tempo irá durar antes de se estragar?

sonia disse...

minha lavadora tem 37 anos e o liquidificador uns 40!

Quase Blog da Li disse...

Aiaiai
nem me fale em prazo de validade!

peri s.c. disse...

Silvares
Já nasceu estragada .

peri s.c. disse...

Sonia
Se resistiram às ferrugens ainda longa vida pela frente .

peri s.c. disse...

Li
Prazos de validades estão aí para sem serem superados ....

expressodalinha disse...

E o progresso sai cada vez mais caro!

peri s.c. disse...

Jorge

Progresso financeiro, sempre para os mesmos.

João Menéres disse...

Como o meu prazo está a ser já esticado (embora com cuidado...), não vou aventurar-me nesse percurso com o meu carro.
Ficava o carro e marchava eu com os -7ºC !
Nem pensar !

Anônimo disse...

Peri,

ótimos comentários, ótimas respostas. Só que, uma vez mais, chego depois.
No entanto, talvez ainda caiba te dizer que invejei essa sua viagem, pela poética fidelidade ao velho Ford, e pels belezas que sei que viu no Atacama.
Estive lá há uns quatro ou cinco anos. Tudo é inesquecível.

Beijo

Vivina.

peri s.c. disse...

Caro João
Se o Fordeco pode, você também pode.
Coragem ! Talvez numa confortável LandRover com aquecimento e ar condicionado.

peri s.c. disse...

Vivina

Não fui eu o autor da aventura.
Ou seu comentário foi no sentido figurado, na "viagem" que fiz em relação à aventura que relatei ?

Um dia ainda voulá, tenho enorme curiosidade;

beijo

Anônimo disse...

Sim, Peri, é isso:

achei sua "viagem" tão fantástica quanto à do velhinho de Mairiporã.
Senti que você "adotou" o Fordinho e "enxergou" o Atacama com os olhos da alma.
Deve ter faltado clareza às minha linguagem figurada... Culpa não só minha, mas das lembranças, como disse, inesquecíveis que tanho de lá. Fiquei meio maluca.

Quando você for de verdade, verá que não exagero. Aliás, você sabe.

Beijo

Vivina.

peri s.c. disse...

Vivina

Ah, ah, de fato, viajo nestas coisas.
Esses Fordecos andam me perseguindo : meu mecânico está restaurando 2 e quinze dias atrás ali entre a Pinacoteca e a Estação da Luz , paraou um outro ao meu lado, impecável, placa preta também com um velhinho de uns 80 anos, todo pimpão na direção, uma maravilha.

É eu sei o que é aquilo, um dia vou lá.
beijo

Anônimo disse...

Peri,

então eu estava certa. Senti que entre você e os Fordecos existe uma coisa muito séria...

Beijo

Vivina.

peri s.c. disse...

Vivina

Na verdade meu objeto de desejo é um Ford 37, que foi o primeiro de meu pai.Talvez para resgatar empoeiradas memórias.

bj

Anônimo disse...

Peri,

empoeiradas memórias. Bonito, isso.

Bj

Vivina.