#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

4.7.09

É assim

Em 2 horas, do inverno paulistano, 15º



Para o "inverno" típico do Centro-Oeste, uns 38º ( na sombra ) .

Sentado no avião, sem ar condicionado 20 minutos aguardando a decolagem,
esvairam-se uns 2 litros de suor e 100g de neurônios.




No ar, voando baixo, a constatação de sempre : " puta, como esse país é grande ! " .



Eu achei as caixas pretas...
4 voos, 8 horas no ar, uff, elas não registraram nada de anormal.


10 comentários:

anna disse...

bon vacance!

foi bom localizar a caixa preta. evitaria um monte de especulações.

peri s.c. disse...

Anna
"Bon vacance" coisa nenhuma, fui trabalhar.
64 horas fora, sendo 18 horas em deslocamentos. É mole ?

Marcio Gaspar disse...

gosto de aviões. e ao contrário da maioria, gosto especialmente dos antigos turbo-hélices e de seus vôos a baixas altitudes. um quê de retrô, do sentido aventureiro dos pioneiros. me gusta!

peri s.c. disse...

Marcio
Estamos na mesma minoria, también me gusta los turbohélices : quem não voou de São Paulo ao Rio, ou vice-versa, num Electra não viveu.
O astro deste post é esse ATR-42, Delícia de avião. Os da Pantanal são ( eram ? ) mais confortáveis, viajei em um, alguns anos atrás, com bancos de couro largos e confortáveis. Este aí da foto tem uma configuração para 46 passageiros, mais apertadinho e espartano, mas voa gostoso. Fuselagem baixinha, parece que vamos ralar a bunda no chão na aterrissagem. Fazendo curvas fechadas para escapar de uns "projetos" de cumulus-nimbus e na aproximação do aeroporto, a delícia de voar.

Eduardo P.L disse...

Esses "da antiga" pelo menos sabiamos onde caíamos! E o tombo era sempre menor, e em menos velocidade! E como mostra e prova a postagem, as caixas pretas fáceis de serem localizadas! Pelo menos em voo normal!!!!

peri s.c. disse...

Edu
Uma relação mais amigável, principalmente em aeroportos pequenos, onde você não fica encaixotado e entra por um " finger" sem ver a cara do pássaro.
Vai-se à pé até o avião, pode-se examinar a aeronave e ver se tudo está firmemente no lugar, se os " pitots" não estão entupidos e os pneus murchos. E dar uma olhadinha nos comandantes , para ver se não estão sonolentos ou entediados. Já voei, nessa mesma rota, num avião fabricado na antiga Tchecoslováquia, que é uma mini-réplica ( 12 passegeiros ) desse ATR-42 aí da foto, e que não tinha a cabine de comando completamente fechada, só uma antepara : dava para ver o piloto calmamente lendo seu jornal durante o voo, ah, ah.

roserouge disse...

O que é aquilo escrito na fuselagem do avião? TRIP ou RIP? É que se fôr RIP... porra!

peri s.c. disse...

RR
Ah, ah .... TRIP !!!!
Não necessariamente uma bad trip.

Laguardia disse...

Não sou jornalista nem escrito. Sequer escrevo bem. Sou aposentado. Meu imposto de renda é retido na fonte pelo INSS. Já nosso querido apedeuta tem sua receita de INSS como anistiado político acima do teto do INSS livre de IR.
Minha forma de lutar contra os desmandados implantados por este governo corrupto no Brasil é através de um blog http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/
Gostaria de contar com a presença e dos comentários das pessoas de bem que não se conformam com a desonestidade, a falta de ética e a corrupção em nosso governo.

peri s.c. disse...

Lutemos, meu caro.