#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

8.11.08

Coreto Musical -3

Hoje em sensacional edição dupla .
Agostinho dos Santos canta Estrada do Sol, de Dolores Duran e Tom Jobin. Depois Elis e Gal fazem sua reconstrução da mesma música . Um " duets" ( argh, quantas merdas perpretaram em seu nome ) que vale todas as penas.


Se esse país produzisse bons políticos como produz bons artistas ....





34 comentários:

Anônimo disse...

Peri:
Neste ano agora à pouco ,morreram o ator , depois a atriz do filme Orfeu de Camus,rodado no Rio de Janeiro e premiado em Canes,ou Cannes(Já bebí).Agostinho é a figura presente com sua voz cantando "Tristeza não tem fim...",dublando a voz do ator que faleceu(jogador do Bangu,que jogava com o Zózimo),
no revisitado Orfeu e Eurídice. O grandioso Adhemar Ferreira da
Silva faz a morte,personagem coberto por uma máscara do começo ao fim .
A memória é a melhor arma para se construir um mundo melhor.
Günther.

Eduardo P.L disse...

Este Armazém esta virando uma BOITE!!!!!!(;-) Bom isso!

peri s.c. disse...

Günther
Grande frase : "A memória é a melhor arma para se construir um mundo melhor."
A partir dela, estou dando minha contribuição, via este Coreto Musical.

Não sabia que o AFS tinha feito esta incursão no campo artístico. Era um homem elegante.

peri s.c. disse...

Eduardo
Se a vida fosse uma grande boate, com iluminação variável, seria mais divertida.

Marcio Gaspar disse...

espetacular momento elis & gal... no livro do andré midani, tem uma frase ótima da elis: "divido tudo na minha vida. divido comida, divido cama, divido meus amigos... só não divido o palco:. ainda bem que, de vez em quando, ela fazia suas exceções.

roserouge disse...

Ah, grande Elis!...este blog tá a bombar à séria!

anna disse...

o agostinho dos santos era chique né?

e a gal tão bunitinha...

peri s.c. disse...

Marcio
Um monstro a baixinha. Fazia excessões e trazia para o palco músicas de autores desconhecidos. Foi ela que gravou pela primeira vez Aldir Blanc e João Bosco, a música Agnus Sei não foi ?

peri s.c. disse...

Putaquiuspa, na resposta acima : "exceção", um dia aprendo.

peri s.c. disse...

Roserouge
Grande! Emorme! ( apesar de baixinha )A " pimentinha" era fogo-na-canjica.

Este blog está a ribombar, ah, ah, graças aos fregueses fogueteiros que aqui frequentam.

peri s.c. disse...

anna
Agostinho, um gentleman, chiquésimo.
E Gal, estava uma gata.

Anônimo disse...

Me disseram no Palmeiras,a algum tempo,que Agostinho dos Santos(sem trocadilho),era pai do Mosquitinho que jogou basquete lá.
Eu havia comentado com amigos,que o Wagner Tiso estava procurando os herdeiros dele para autorizarem regravação de seus sussessos.
Não lí mais nada a respeito.

Günther.

Anônimo disse...

Sucessos,carái.Corrigi.
Günther.

Meg disse...

Que lindo, Peri.
beijo

expressodalinha disse...

Belos artistas. Políticos não sei. Nunca gostamos dos que temos!
Adoro Elis (Gal nem por isso, incomoda-me o timbre e os agudos da voz). A versão de Agostinho Santos é fabulosa. Não conhecia. Que a boite continue!

Eduardo P.L disse...

Jorge,

saio em defesa da Gal.Ela além de ter sido uma "gracinha", canta e encanta!Me lembro de um LP com um poster enorme com ela deitada, quase nua....rsrsrs!uiuiuiH

peri s.c. disse...

Günther
Nunca ouvi falar disso.
Agostinho merece ser revisitado.

peri s.c. disse...

Meg
Todo sábado o Coreto Musical, nossa primeira secção fixa, apresentará algo especial.
beijo

peri s.c. disse...

Jorge
O "P.S.C. Night Club" continuará.
( gostei desse nome ).
As duas brilhantes, acho Elis um pouco superior, por uma série de aspectos.

peri s.c. disse...

Eduardo
Mais interessado no corpo do que na voz ? ah, ah

expressodalinha disse...

Pois, tb. não disse nada do corpo (ultimamente um pouco alargado...).

Adelino disse...

Peri, o Agostinho dos Santos tinha uma interpretação magistral de "BALADA TRISTE", alguém se lembra? Lá pelos idos de 1950/1960.
Uma vez, pequeno ainda, li numa revista de cinema um crítico que escreveu assim:
"Morre um John Garfield enquanto uns Peter Lawford ficam dando sopa por aí...". Para quem é "novinho" lembro que John Garfield era um grande ator, e Peter Lawford - que viria a ser cunhado de Kennedy - era considerado um "canastrão".

No caso o Agostinho seria o Garfield...
Grande abraço. Feliz semana.

PS - Peri, meus parabéns ao GÜNTHER que está se revelando um memorialista de primeira linha.
Valeu.
Abs

peri s.c. disse...

Jorge
Bem alargado.

peri s.c. disse...

Adelino
Eu lembro dessa música.
Agostinho foi um " biscoito fino"
Pelo que já pude captar sobre o Günther, ele jpgou futebol usando uma chanca e chutou bolas de capotão. Não chegou a ver o dilúvio, mas pisou no barro.

Anônimo disse...

Peri/Adelino: Aí vai:

"Balada triste,que me faz lembrar alguém
Alguém que existe e que outrora foi meu bem
Fica comigo velha amiga e companheira
Vou cantá-la a vida(ou noite) inteira prá lembrar o que passou
Não há mais nada foi um sonho que findou(ou restou)
Triste balada só você me acompanhou...(não me lembro mais).Desculpe nossa falha.
Minha memória fotográfica está aos poucos entrando no processo de revelação digital.Eu chego lá.

Günther.

Anônimo disse...

Peri:
Jogando futebol e xadrez,aprendemos sôbre a vida , suas metáforas.
Perfil:
Sou jovem,elegante,idade perto dos50(não digo se prá frente ou prá trás),ainda não tenho cabelos brancos , só a barba,paulistano da gema,duas universidades,cenógrafo,artista plástico,expondo também no exterior.
No gambá meu reserva era o Adãozinho(mais velho que eu).
No porco,Adhemar Pantera entrou no meu lugar,eu tinha 16 anos e êle 24anos.
Minha precocidade não me permitiu pisar na lama.Só vi os bichos um pouco depois no zoológico.

Günther.

peri s.c. disse...

Günther
Ah, ah.
Gostei da ficha, este Armazém tem uma clientela de fino trato, mesmo quando disputando bolas na zona do agrião.
Na busca das metáforas da vida está explicado seu conhecimento sobre as chancas, bolas de capotão e o barro do dilúvio. Como olhar prá frente, sem dar umas olhadinhas prá trás?

peri s.c. disse...

Günther
em tempo : O Adelino é nossa a testemunha viva da história, visite seu blog o Mais ou Menos Nostalgia, link ali nos favoritos

Adelino disse...

Peri, o Günther deve ter usado "bicanca"... E "birro" pra encher o "balão"... As bolas não batiam no travessão, batiam no pau, na madeira. E as redes de "barbante"? E o ferro que segurava as redes? E o cal (ou a cal) que marcava as linhas do campo e queimava os jogadores que caissem sobre elas? Existe a Concha Acústica no Pacaembu, ou este está desativado? Peça de museu?
"Pacaembu, o próprio da municipalidade..." - dizia Geraldo José de Almeida com aquela categoria que não se vê mais hoje em dia. Almeida era sampaulino roxo. Uma vez, transmitindo São Paulo x Vasco, ele disse: "Lá vem a bola para a nossa área". A "nossa" era a do São Paulo...
Grande abraço, Peri e Günther.

O Varandão da Saudade está a pleno vapor...

peri s.c. disse...

Adelino
Cáspita ! Você não tem assistido jogos transmitidos do nPacaembu ? A concha Acústica ficou surda faz muitíssimo tempo. Hoje no local o "Tobogã" ( pelo apelido imagine quanto tempo tem esse tobogã ) . E mais : fui estagiário do excelente arquiteto que projetou o tobogã e o projeto já era antigo ....
Era um projeto que duplicava a capacidade do estádio, só que o governador da época era o Laudo Natel, ex-presidente do São Paulo, que " mecheu os pauzinhos" e impediu a duplicação, para que o estádio não virasse a " casa" do Corinthians. E aí construiram só o tobogã, eliminando a concha e descaracterizando o belo estádio..

Anônimo disse...

Peri/Adelino:
Entre a arquibancada e a Concha Acústica tinha uma bela réplica do Davi de Michelangelo,hoje situado atrás,na área social. Sempre víamos um torcedor trepado ,segurando no bigolim do Davi para ter apôio,em dias de estádio super lotado.
Jair da Rosa Pinto(tio de Carlos Alberto Pintinho,com quem joguei),e Pepe,não raramente "furavam" o barbante.
Geraldo José de Almeida é pai de Luis Alfredo,hoje narrador da RedeTV.
"Birro" era têrmo usado no Rio de Janeiro onde, a pedido do pequeno "grande" Edu(irmão do Zico e de outro mais velho,que não me lembro o nome e que também jogou no América na década de 60),fui convidado a jogar no América para formar dupla a seu lado.Infelizmente não se concretizou porque meu pai não assinou o contrato;eu era "de menor",e ía atrapalhar meus estudos em S.Paulo.
Quanto à "casa dos gambá",..."Vade Retro"!

Günther.

peri s.c. disse...

Günther
Bem lembrado, o Davi e seu disputado bigolin, pela torcida da Marginal, sem número. Ah, ah.

Adelino
o Günther é pareo para você.

Anônimo disse...

Peri:
Pelo frigir da carruagem,hoje em dia ,se Davi ainda estivesse lá ,outra torcida também disputaria.
Günther.

peri s.c. disse...

Günther
cairiam de boca.