#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

17.5.08

Eu e a brisa

Quando éramos pequenos pimpolhos e acreditávamos em tudo que os adultos falavam, nos ensinaram que Pedro Alvares Cabral descobriu o Brasil acidentalmente, eh , eh, ao navegar à oeste para fugir da zona de calmarias do Atlântico.

Importante lembrar desse fato quando vemos essa sensacional novidade tecnológica:




Um relógio sem qualquer tipo de bateria elétrica ou corda. Seu mecanismo é acionado por micro-turbinas movimentadas ... pelo vento ! Horas, minutos e segundos eólicos !

Quando usarmos esse aparelho, como Cabral também teremos que fugir das zonas de calmarias, só que agora das urbanas . O que será que vamos descobrir?


18 comentários:

Norival R. Duarte disse...

Descobriremos o que procuramos, sem necessidade de ventos, como os blogs do Peri, do Ery, do Eduardo PL, do Jaime, do Nilton, do Norival...

Grande abraço e bom domingo, Peri!

peri s.c. disse...

Norival,
bons ventos os que nos levam a esses
blogueiros da pesada.
abraço

Marcio Gaspar disse...

há algum tempo, aboli o uso do acessório de pulso inventado por santos dumont. utilizo o celular para saber das horas.

Fernando Zanforlin disse...

Peri em zonas de calmarias, só a urbanidade para atender as necessidade da pequena jóia, comprimentar todas as pessoas com um esfuziante aceno.
ab,

expressodalinha disse...

... mas não foi por acaso!

peri s.c. disse...

Marcio, se você como S. Dumont pilotasse hoje dirigíveis, prenderia o celular ao pulso.

peri s.c. disse...

Fernando
se a moda desse relógio "pegar" vai ser ridículo todos dando tchauzinho para todos, imagine no metrô ...

peri s.c. disse...

Expresso
Claro que não foi por acaso, foi uma ironia de minha parte.
Sei lá por que em nossas escolas, no século passado, não sei hoje, ensinavam esta história da descoberta acidental.

Eduardo P.L. disse...

Norival e Peri,

obrigado pela citacao, e pelo da pesada...
duro é escrever com este teclado....

anna disse...

peri's, tenho atração zero por relógios.

agora esse daí movido a vento, achei demais!!

e onde a gente leva aqueles postes enormes que ficam virando suas pás para a geração de energia?

peri s.c. disse...

Anna
ah, ah !
nada de postes, sofisticação tecnológica, mesmo conceito das turbinas de hidroelétricas, só que sem a água : duas micro-turbinas, parecidas com a lâmina do barbeador philishave ( se é que você já abriu e viu um ) na parte de baixo da caixa do relógio e o vento entra por uma tubulaçãozinha.Elas rodam e fazem funcionar o mecanismo.

Não informam se em casos de furacões, ciclones, tufões, etc o relógio adianta as horas.

peri s.c. disse...

Eduardo
Você está escrevendo direitinho, apesar do teclado. Ele é em árabe?
Abraço

jayme disse...

Peri, e dentro do escritório, nóis assopra?

peri s.c. disse...

Jayme
Tem que deixar na frente do ventilador!

Eduardo P.L. disse...

Peri,

quase, em arabe....um sufoco. Achar as letras é tarefa para o Wolly.....

Forte abraco

peri s.c. disse...

Eduardo
Frente a estes teclados você vai compreender a profundidade da famosa expressão árabe : "Mactub" ( assim estava escrito ).
abraço e boa Medina.

Só- Poesias e outros itens disse...

Sempre bom vir aqui no Armazén!!!

Embora não goste de relógios, a discussão aqui ferveu entre os homens.


bjs.

JU Gioli

peri s.c. disse...

Ju
Que bom !

Curioso quanta gente não gosta de relógio ! Por que será ?
Acho que eles são umas maquininhas muito engenhosas.