#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

14.10.12

Desordenando as perspectivas



.

 

 .

11 comentários:

expressodalinha disse...

Uma atraente confusão de linhas.

peri s.c. disse...

Basta enxergar torto e por a câmera no ângulo certo, Jorge.

João Menéres disse...

Do torto se faz direito...

O Siza e o Souto Moura parece que vão ao Brasil...

um abraço.

Li Ferreira Nhan disse...

Sempre tive um sério problema com as tais perspectivas; não as vejo!




Estou a falar de desenho.
;)

peri s.c. disse...

João

Atrás de trabalho? Aqui saiu a notícia que Siza pensa em fechar o escritório por falta de trabalho .

peri s.c. disse...

Li

Uma das vantagens de dar aulas é o contato com outros professores.
Outro dia papeando com os prof. de Design Gráfico surgiu a conversa que esclarece sua dificuldade.
Sua dificuldade é uma questão antropológica-hitórica .
Vem da pré-história a dificuldade feminina com as perspectivas ...
Nas priscas eras o homem teve que desenvolver a visão espacial, porque ... tinha que caçar para sobreviver . Acertar um animal em movimento na paisagem.
Já as mulheres, faziam coleta de alimentos e aprendiam a diferenciar o que era venenoso do que não era, pelas formas e cores. Daí outra constatação, vocês meninas tem uma visão finésima ( e genética ) de cores.... Interessante essa teoria, não ?

Li Ferreira Nhan disse...

...
Interessante ...
Conheci várias colegas nos áureos e idos tempos da Belas Artes que eram craques em perspectivas;
também eram exímias caçadoras; não sobrava um!
Quiçá herdaram uma carga genética de alguma tribo matriarcal!

Caramba, seguindo esse raciocínio constato que
essa teoria ajudou a estreitar ainda mais as minhas perspectivas.


rsrsrsrs

peri s.c. disse...

Li, uma mera teoria .
E as eximias caçadoras caçavam vitimas com outras finalidades, ah, ah, ah

claudio boczon disse...

na renascença era ponto de fuga
no barroco, contraponto e fuga
hoje, o ponto de vista é fugaz

peri s.c. disse...

É, Claudio .

João Menéres disse...

Eles queixam-se disso, de facto.
Claro que a construção cá está parada. Moradias, apartamentos e terrenos quase se não vendem.
O Siza tem obras no Oriente, pelo menos.

Irão aí, segundo creio, integrados na
AMIZADE BRASIL/PORTUGAL.

Um abraço.