#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

15.5.12

Criador, criando


O grande arquiteto português Alvaro Siza em ação,
ao som dos Beatles .






Nascido em Matosinhos, uma localidade costeira no norte de Portugal, junto a cidade do Porto, Álvaro Siza Vieira é filho de Júlio Siza Vieira e Cacilda Ermelinda Camacho Carneiro. Do seu casamento, ele teve dois filhos, Joana Marinho Leite Siza Vieira e Álvaro Leite Siza Vieira, também arquiteto.

Siza Vieira estudou, entre 1949 e 1955, na Escola Superior de Belas Artes do Porto, onde lecionou, de 1966 a 1969, voltando em 1976 (sempre como professor assistente). Fortemente marcado pelas obras dos arquitetos Adolf Loos, Frank Lloyd Wright e Alvar Aalto, cedo ele conseguiu desenvolver a sua própria linguagem, embebida não só nas referências modernistas internacionais como também na forte tradição construtiva portuguesa, dos quais resultaram obras de um requinte e detalhe ímpares no modernismo português, dos quais se destaca a Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira.

Criou verdadeiros marcos na história da arquitetura portuguesa e internacional, influenciando muitas gerações de arquitetos.

Vejam-se as Piscinas de Marés[2], o Museu de Serralves, a igreja de Marco de Canaveses, ou mais recentemente, o museu para a Fundação Iberê Camargo[3], em Porto Alegre, no Brasil, onde Álvaro Siza retorna a umas das suas mais fortes influências de linguagem arquitetónica, Le Corbusier. E este é, poderemos dizer, o principal talento de Siza, conseguir reinterpretar ou mesmo se redesenhar, procurando uma linguagem que, até então, tinha vindo a mostrar em alguns apontamentos de obras recentes complexidade formal aliada a uma aparente simplicidade do desenho.

As suas obras encontram-se por todo o mundo, desde América à Ásia, passando por países como Portugal, Espanha, Países Baixos, Bélgica, Brasil, Coreia do Sul, Estados Unidos, entre outros. Nos Países Baixos, Siza Vieira dirigiu, de 1985 a 1989, o Plano de Recuperação da Zona 5 de Schilderswijk, em Haia; em 1995, concluiu o projeto para os blocos 6-7-8 de Ceramique Terrein, em Maastricht. Ajudou na reconstrução da zona do Chiado, destruído por um incêndio em 1988. Elaborou, em Espanha, o projeto para o Centro Meteorológico da Villa Olimpica em Barcelona; o do Centro Galego de Arte Contemporánea e da Faculdade de Ciências da Informação, em Santiago de Compostela; a reitoria da Universidade de Alicante; o Edifício Zaida, em Granada; e o Complexo Desportivo Ribero Serralo, em Cornellá de Llobregat.

da Wiki

.

6 comentários:

Eduardo P.L disse...

Gosto muito do projeto da Fundação Ibere Camargo.

João Menéres disse...

Obrigado, Mauro pela "ante-estreia" !

Um abraço.

peri s.c. disse...

Edu

Uma magnifício projeto que você teve a oportunidade de conhecer de perto.

peri s.c. disse...

Prezado João você merecia essa atenção. Foi com o maior prazer que te passei o link!

abraço

Anônimo disse...

Nossa! Que preciosidade essa aqui!
Adorei!
Li

peri s.c. disse...

Li, precioso mesmo.