#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

27.2.11

Um giro muito giro - 25





Teimosos, mais uma úmida visitinha à Ribeira





Não fomos até a margem alcoólica do rio .
Já sabíamos o que era um Porto de alta classe,
tínhamos degustado o Vintage oferecido pelo João .



As gaivotas dominam o espaço aéreo do Porto, estão por toda parte,
até na janela do hotel, longe do rio ou da praia.


Acordava ouvindo seus pios e ainda tonto de sono,
me sentia como se
me chamasse Ismael e estivesse em Nantucket.
E me preparava para ouvir no corredor o toc, toc da perna de pau
do Capitão Ahab vindo me buscar para embarcar no Pequod,
para a busca final da Moby Dick.




A Igreja de São Francisco
( absurdo, cobram ingresso )

Esta imagem, "proibida" pelo alerta segurança, saiu tremida.
Mas vale o registro da riqueza de seu interior .

A Igreja mais "rica" do Brasil é também uma de São Francisco, lá em Salvador.

Sempre me intrigou :
se São Francisco é aquele que pregou e praticou a pobreza

por que suas igrejas são as que mais exibem a riqueza ?


Voltando aos " altos "







Café Majestic

Essa, inteirinha azulejada

Praça de Liberdade


Nossa segunda equipe fotográfica resolveu voltar ao beira-mar,
afinal o Porto não é só o Douro

Havia uma certa carência de banhistas na praia.
Talvez o inverno, talvez a chuva, talvez o vento, talvez a noite que caia.





Mas o mar estava exuberante



Despedida da rua do hotel


Exemplo de péssima propaganda :
o luminoso da loja de candeeiros meio apagado.



Hora de subir, organizar a tralha e re-re-re-re-refazer as malas,
desta vez para para empacotar os últimos ares portugueses .



26 comentários:

expressodalinha disse...

Noites húmidas é sempre bom :)

peri s.c. disse...

Jorge

Os dias, no máximo 2 por semana.
As noites eu gosto.
São Paulo, no inverno, antigamente era considerada a " Terra da Garoa".
Eram lindas aquelas noites frias.
A cidade cresceu, transformou-se numa ilha de calor, a garoa se foi .

Li disse...

Dá pra sentir a humidade...

A foto do banco vermelho com as 2 árvores-candeeiras tá show!

João Menéres disse...

Que pena MAURO já ter embarcado !...
O Porto deixou partir um magnífico "apanhador" de pormenores !

Achei óptima aquela luminária com duas gaivotas e uma terceira ALI !

Sobre a entrada na Igreja de S. Francisco ser paga, informo que este Monumento não é património da IGREJA, mas sim da Ordem de S. Francisco ( que tem um hospital e, entre outras coisas, tem que conservar este monumento e a outra Igreja que lhe é adjacente ( A Igreja dos Irmãos Terceiros).

A Li fez um comentário de muito valor !

Quanto ao mar : além de exuberante, é generoso...
Pelo menos nesta sua magnífica imagem, ele interrompeu a vaga para não ferir o farol !

Grande abraço, meu amigo.

peri s.c. disse...

Li

A Cesar o que é de Cesar : a foto do banco vermelho é de meu assistente, Peri Jr.

peri s.c. disse...

João
- Podemos dizer que os "pormenores" na verdade são " pormaiores" , ah, ah .

- Fotógrafo tem que ter um pouco de sorte, ajudado pela quantidade de fotos que tirei tentando pegá-las em pleno voo .

- Agora entendi a questão da igreja.
Aqui também estão sempre juntas, a principal e a Ordem Terceira .
Preciso providenciar uma câmera melhor para ele, que nossa modesta Canonzinha-backup.

- Complementando a resposta à Li: Todas as fotos da beira-mar e algumas da Ribeira são do Vini, esse garoto leva jeito para a fotografia, tem um ótimo olho, sempre me surpreende .

Grande abraço, João

João Menéres disse...

A do farol está MAGNÍFICA, sem dúvida.
Vini disparou no MOMENTO !

Abraços.

WJ disse...

Observando suas fotos (as de paisagens), conclui que, minhas fotos não são as unicas com uma leve inclinação para a direita.

peri s.c. disse...

João

Está mesmo !

peri s.c. disse...

Wil

Perfeita sua observação .
Já tinha sacado isso .
Um problema das digitais quando usamos o LCD . Se usássemos a ocular, como nas SLR, isso não aconteceria.
Mas muito fácil de resolver, depois nas diçoões, e estou acertando isso agora no Picasa que tem uma excelente ferramenta : a endireitar !
Boa essa ferramenta .

Li disse...

Epa!
Quem é o assistente de quem?
rsrsrs
Peri Jr tá de parabéns!!!
:)

peri s.c. disse...

Li
Hummm, pois é ...

valter ferraz disse...

Peri,
não foi pros lados vinícolas, perdeu o Sandeman. Posso te garantir que é dos melhores. Bah! não conheço o Vintage, por isso não posso compará-los.
Também na Itália deparei com igrejas que cobravam ingresso devido às obras de arte, não sei se eram da Ordem Terceira ou Quarta, pois me recusei a pagar. Aliás, paguei muito pouco ingresso, contentei-me em conhecer as portarias e entradas de museus e galerias. Acho que não perdí grande coisa pois naqueles onde entrei a superlotação, as filas de asiáticos e nórdicos em geral tb impediam o perfeito aproveitamento.
As fotos realmente estão muito boas tanto as do pai como as do PeriJr.
E a pergunta faz sentido: quem foi o assistente de quem?

peri s.c. disse...

Valter

Falta de tempo e , provavelmente não resistiríamos a tentação de comprar algumas garrafas.
Só que aí teríamos que carregá-las .
Como somos turistas ambulantes, um estorvo.


Os Vintages : " Considerado por muitas pessoas como a jóia da coroa dos vinhos do Porto, é o único Porto que amadurece em garrafa. Produzido a partir de uvas de um único ano e engarrafado dois a três anos após a vindima, evolui gradualmente durante 10 a 50 anos em garrafa. O encanto do Porto Vintage reside no facto de ser atractivo em praticamente todas as fases da sua vida em garrafa. Nos primeiros cinco anos mantém a intensidade rubi das cores originais, aromas exuberantes a frutos vermelhos e silvestres e o sabor do chocolate negro, tudo equilibrado por fortes taninos, que combinam na perfeição com sobremesas ricas de chocolate. Após dez anos – e para além de criar um depósito médio – desenvolve tons vermelho granada e atinge uma deliciosa plenitude de aromas e sabores a frutos maduros. "
Ou seja, o Vintage é the best !

Acho que entrar em alguns museus vale o esforço financeiro e o físico. Por ex. ir a Roma e não visitar a Capela Sistina e o Museu Vaticano é o mesmo que não ter ido a Roma.
E como turismo é uma indústria, não há alternativa : devemos colocar no orçamento os custos dos ingressos. E enfrentar a horda de nipônicos.
Aliás o enrosco começa nos aviões: como não viajamos de 1ª classe, neles nos sentimos como sardinhas em lata. O resto é banal. E importante sacar quais os melhores horários, tem uns truques..
Mas ... bom humor é fundamental para aproveitar bem a viagem.

Quanto a quem é assistente de quem, o garoto ainda tem que comer muito feijão, ah, ah.

peri s.c. disse...

Complementando : " turistas ambulantes ... e unpluggeds - não temos ônibus de excursão para guardar as compras " .
É no "pé-dois" mesmo.
Livres como um taxi.

valter ferraz disse...

Peri,
entendo. Também sofremos com as malas e bagagens. Por sorte largamos uma das grandes na Pensão Camões no Chiado, Lisboa, e fizemos o resto do percurso com apenas! uma mala, duas mochilas, bolsas e sacolas.
Quanto aos vinhos, além do Sandeman que tomamos durante a visitação à Cave Sandeman, ganhamos duas garrafas de nosso anfitrião, mas uma tinha dono, era para o Tiago que custeou a bandalheira dos dois velhinhos, portanto só podemos usufruir de uma.Comprei um Mateus(branco, delicioso), um Dalva e um Presidential(bons).Acho que precisaríamos uma termporada mais longa no Porto e região para usufruir.
Quanto aos museus, A Capela Sistina e o Museu do Vaticano valem os euros gastos, foi uma das visitas mais produtivas. Fomos duas vezes, uma acompanhada de nossa anfitriã e outra só os dois brazucas e nos esbaldamos. Até a benção do Ratz que tentei evitar, acabamos por apanhá-la pois chegamos exatamente às 11:50 de uma quarta-feira, não houve alternativa.
Uma observação: dedicamos 13 dias a Portugal e 17 para Itália. Numa próxima(se houver) dedicaremos 30 dias só a Portugal e não se fala mais nisso.

João Menéres disse...

Agradeço, MAURO, o esclarecimento que deu ao VALTER FERRAZ sobre o VINTAGE.
Ele julgava que era uma marca...
RsRsRs...

Como todos apreciadores de Vinho do Porto sabem, só em anos de elevadíssima qualidade é declarado VINTAGE e depois de uma série reflexão ( e provas sem fim ) e, mesmo asssim, não é toda a colheita de uma quinta e nem toda as quintas o produzem.


Um abraço.

valter ferraz disse...

João,
obrigado pelos esclarecimentos enólogos.
Realmente não sou conhecedor de vinhos, apreciei o que me foi proposto pelo meu amável anfitrião Zeferino Duarte Brandão.
Como turista, viajamos com algumas idéias pré-concebidas, com o vinho do porto foi assim, como ir à Roma e "ter" que ver o papa.
Não posso deixar de frisar que os costumes são exatos. Os vinhos que tomamos em Portugal são de excelente qualidade mesmo para não entendidos como eu.
Abração//
Peri,
vendo a foto do Majestic veio a saudade.Lugar lindo, aconchegante, chique como dizemos aqui na bananolândia. E caro, suponho. Não paguei nada, pois meu educado anfitrião não permitiu que gastássemos nossos minguados euros, gráças à Deus.

peri s.c. disse...

Valter

Para conhecer vinhos : uma vida
Para conhecer artes : outra
Para conhecer o mundo : mais outra
Para conhecer as mulheres : mais outra
Para conhecer os filhos : mais outra
Poucos conseguem juntar as cinco numa só.
Portanto estamos fadados a ser eternos aprendizes de tudo.

peri s.c. disse...

Oops : " fadados a sermos .... "

peri s.c. disse...

João
Troca ( escrita ) de vivências .
abraço

peri s.c. disse...

Valter
Para curtir a Itália acho que é necessário um pouco de ancestral sangue italiano nas veias.

valter ferraz disse...

Peri,
quanto à Itália:
fui criado por pais adotivos italiano, daí que tinha uma certa afinidade com a raça, lingua e costumes, tudo à brasileira, claro.
Minha nora é italiana do Piemonte. Fui "praticamente" obrigado a colocar aItália no roteiro, uma vez que filho e nora é quem custearam a bandalheira. Na verdade pelo script eu deveria ter ido ao norte, conheceria ainda Milão, depois Turim,etc. Acabei por optar por um outro roteiro. Fiz Roma e região do Lazio (Fondi). depois fomos para a Toscana, ainda iríamos a Napoles. mas desistimos, acabamos por ficar em Firenze e arredores. Sentimos muita dificuldade com a língua.
De toda forma aproveitamos muito e fizemos o roteiro que conseguimos adaptar ao bolso. Não há do que se queixar.
Filho e nora, teimosos que são insistem em nos levar ao Piemonte. Quem sabe com o dialeto piemontês a gente se saia melhor. Vai saber?

Anônimo disse...

Peri,

os últimos ares portugueses - empacotados - vieram muito bem acompanhados. Até as gaivotas de Moby Dick!
A vida é isso. Quando ficção e realidade se mesclam, é sinal de que estamos certos, o rumo é esse mesmo.
Sua viagem foi incrível, não há como não sentir, e suas postagens são uma generosa divisão de belas experiências.

Beijo agradecido e encantado
Vivina

peri s.c. disse...

Valter
Cáspita ! Não foram a Venezia ?
Vai ter que voltar lá um dia para conhecer essa preciosidade .

Falar um pouco a língua transforma a viagem . Dialeto então ...

peri s.c. disse...

Querida Vivina

Lindas suas palavras .

Que seria da vida sem nossas confusas ficções?

você não imagina como tem sido bom partilhar esta experiência. Tanto que resolvi esticá-las mais um pouco .

E eu é que agradeço o prazer que vocês sentem.
beijo