#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

2.3.10

A cidade, este ser estranho .

Você que é um ser urbano, que olha a cidade como uma esfinge indecifrável e que sofre com todos os efervescentes descompassos das concentrações humanas com mais de 1 milhão de habitantes, tenha um pouco de paciência e dedique 16 minutos e 14 segundos para assistir esse video do TED ¹ .



É uma palestra do Jaime Lerner, um dos melhores pensadores sobre cidades deste país, o arquiteto que precisou virar prefeito para tirar suas idéias das pranchetas e aplicá-las no tecido urbano, transformando Curitiba num modelo de evolução urbana estudado em todo mundo.

Aqui, muito à vontade e muito didaticamente explicando porque para ele cidade não é um problema, mas uma solução.
Desde que , claro, a população e seus representantes eleitos comecem a pensar que planejamento urbano não é uma frescura de arquitetos e urbanistas.

A palestra está legendada, dê um clique no " view subtitles " e escolha um tal de " Portugues (Brazil) "

Aqui, uma série enorme de TEDs com legendas em português

Nota ¹ : TED ( " Disseminando Idéias Significativas". qualquer coisa assim ) é uma pequena organização sem fins lucrativos . Ele começou (em 1984) como uma conferência reunindo pessoas de três mundos: Tecnologia, Entretenimento e Design. São pequenas palestras , sempre interessantes e apresentando novas visões para questões que estão aí a nossa frente .

29 comentários:

Fernando Zanforlin disse...

Good... Good... Good...Clap your hands... Good... Good... Clap your hands... go...go...go.
Best regards

guga disse...

Meu sempre candidato!

wimpressoes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Belo achado essa palestra.
A frase da palestra :
"cidades podem ser melhoras em 2 a 3 anos".
As obras da marginal tiete em tempo recorde (fora as chuvas), não que isso vai melhorar algua coisa, mas é a prova que pode-se fazer obras gigantescas e planejadas (do ponto de vista de execução) em curto prazo.

WILSON J

Marcio Gaspar disse...

certa época, trabalhei numa campanha do jaime lerner. verdadeiramente, um raro exemplo de político bem-intencionado e realizador. mas em mais uma demonstração de que política no brasil é mesmo ter que abraçar deus e o diabo, não escapou de faze-lo.

hélio disse...

Funkeiro pesado...

é isso Peri, enquanto o urbanismo de nossas cidades estiver nas mãos da iluminada classe politica brasileira (seja de qual partido politico for) teremos somente problemas... para que se crie soluções de remendo e porcentagens bastantes lucrativas aos politicos e autoridades... não vamos para lugar nenhum.
Continuaremos a ver na tevê, prefeitos politécnicos incompetentes como o
kú-ssab (vestido com capa de chuva), dizendo que os problemas das enchentes, são as chuvas!!! Muito esclarecedor contudo, achei que o problema das enchentes seria do sol. Teremos que engolir isto até quando?

Lerner teve que "virar" politico para mostrar que as soluções podem ser simples, baratas e que com um pouco de criatividade a coisa vai.
é respeitado pelo mundo, mas por aqui...

Enquanto isso, ficamos nas mãos de uma classe politica que se cair de quatro não levanta mais, e o rabo desponta a crescer para não mais parar.

Lina Faria disse...

Hahaha...
Peri, você não imagina o que foram as interpretações desse rap no escritório.
Ele é sempre assim, sem tirar nem por nada.
Para comemorar os 70 anos, cantou e sapateou pros amigos.
Impágavel esse nosso Jaime.
Obrigada, Peri , pela oportunidade.
bjs,

peri s.c. disse...

Fernando

Yeahhh !

peri s.c. disse...

Nosso, Guga, nosso.

peri s.c. disse...

Wil
Não basta fazer, etm que manter, vide o rebaixamento e alrgamento da calha do Tietê, que pararam de fazer dragagem ... fodeu.

peri s.c. disse...

Marcio

o problema é que a maioria se encanta
como o tinhoso e só usa Deus nos discursos.

peri s.c. disse...

Helio

Concordo, but ... nossa classe política é um fiel retrato de nossa sociedade. E de sua ( dela, sociedade ) incompetência
Temos que nos repensar, começando por deixar de dar uma cervejinha pro "seu" guarda, não guiar pelo acostamento, não parar em vaga de deficiente, não parar em fila dupla na porta de escola, não pichar paredes, educar os filhos, não enfiar dinheiro em cueca, esquecer a Lei do Gerson, etc, etc, etc, e por aí vai. Cansei .

peri s.c. disse...

Lina
Assisti uma palestra dele na FAU ... numa aula para ... uns 30 alunos, na maior simplicidade, simpatia e alegria. Adoramos.

Silvares disse...

O que me impressionou mais foi a atitude positiva. "We can do... anything!"
:-)

peri s.c. disse...

Silvares
Yes , we can .
Mas é preciso acreditar.

hélio disse...

...então, temos que pensar em nossas necessidades e adptar ao relevo existente, sem que o capital estupre a todos e construa no jardim pantanal "casas populares", com a omissão gratificada das autoridades. Não sou contra o capital não, viu Peri? Dependemos dele. Só acho que temos que aplicá-lo melhor. Apenas isso. Concordo com o JLerner com pouca grana, criatividade e boa vontade a coisa vai, fica melhor. A ciclofaixa, em SP, está mudando o perfil de uso da cidade, está trazendo o cidadão de volta para as ruas sem a armadura de rodas... muito interessante, pra você dizer que não falei de flores. A cervejinha do guarda, andar no acostamento é o reflexo do dinheiro nas cuecas, nas meias, no bolso do governador. É esse o problema. A quanto tempo não temos uma intervenção urbana importante em São Paulo? A cidade está travada, aí cria-se uma rádio para dizer aos ouvintes os "melhores caminhos". O que era residencial vira um corredor viário absurdo, estúpido. São Paulo está um kaos, as pessoas altamente estressadas, uma qualidade de vida péssima e vem o prefeito dizer que o problema das enchentes é da chuva? Num dá né meu? Nas mãos desses caras que está o desenvolvimento urbano brasileiro.

O problema neste caso não é nosso, e nem da sociedade que somos, é o que nos está sendo oferecido, sem que possamos opinar.
A qual sociedade pertencemos, a de São Paulo travada que o problema das enchentes é da chuva? ou, a de Curitiba respeitadada pelo mundo? qual é a sua Peri?

valter ferraz disse...

Hélio,
não nos esqueçamos que antes da administração demo-tucana, bem antes passou pela prefeitura a turma que detesta o capital mas não vive sem ele. Marta Suplicy fez mesmo o quê em relação às enchentes? Refresque por favor minha memória. À época eu morava e trabalhava em Sampa. Hoje vejo entristecido pela TV o caos em que afunda a cidade onde morei por mai de quarenta anos.
Na minha opinião de leigo, não há o que demonizar em Kassabs ou Suplicys. Todos rezam pela mesma cartilha, todos respondem aos mesmos processos que dão em nada. Minha única surpresa foi a maldade que fizeram com a Luiza Erundina. No pouco que pode administrar a cidade, fez muito.
Abraço

peri s.c. disse...

Helio

Também não tenho nada contra os capitais ( adoraria ter um polpudo. intumescido e latejante capital em mãos ) ... mas são os capitais, em sua ânsia selvagem de replicação, que são os motores da destruição, já que seus detentores tem poucos ou nenhuns compromissos com questões sociais coletivas .
E nossos ( não só os nossos, todos ) os políticos são pequenas marionetes em suas mãos. Agravado pelo fato, que também são espetacularmente incompetentes. Vide o midiático PAC( acelerado! ah, ah, ah ). Além de incompetentes, ilusionistas .

Já que discutimos a questão urbana, você está acompanhando as denúncias que o prefeito e a maioria dos vereadores aqui de SP tiveram suas campanhas fortemente financiadas por uma empresa(?) ligada umbilicalmente à indústria imobiliária . São eles que discutem, aprovam e implementam o Plano Diretor, legislação voltada à ordenação urbana ... A última coisa que preocupa a indústri imobiliária é a ordenação do crescimento da cidade.
E numa sociedade fundamentalmente inculta e desinformada, essa moçada deita-e-rola. E a cidade e seus incautos habitantes, dançam.

Pertencemos hoje, Hélio a uma sociedade que cada vez mais se nivela por baixo.

peri s.c. disse...

Valter
Bem lembrado, Erundina uma política de rara dignidade.
E que conseguiu sobreviver aos quatro anos de gestão na Prefeitura apesar de tudo que seu partido à época, o hoje falecido em seus ideais originais, PT, fez para tentar implodir sua gestão.

hélio disse...

Valter,
o que aconteceu em São Paulo após a Marta foi o seguinte: demitiram milhares de garis da cidade, sem gari a cidade entope. Apostaram que não choveria muito, perderam. Qualquer chuvinha enche. Esse jardim pantanal a água não vaza, faz dois meses, ou mais que os moradores estão boiando. Dois meses. E enquanto não parar de chover... Trocaram as empresas do lixo, até os caras encontrarem o equilibrio demorou, as empreiteiras que limpam os piscinões não recebem, portanto não limpam. A cidade está abandonada, mas, tem ruas sendo asfaltada e a conservação está no estilo empurrando com a barriga, a ciclovia é um sucesso (para felicidade do Peri que fez rasgados elogios a oportunista soninha). Em um dia de chuva, caiu uma árvore sobre a casa da minha mãe, fui a prefeitura pedir uma autorização para poda das árvores restantes, vocês querem saber o que aconteceu? depois de quase dez meses esperando, estressando com a prefeitura para que eles podassem o que está caindo na cabeça das pessoas (só a prefeitura pode podar as árvores que estão nas ruas), decidi pagar para cortar. E não é que quando estava o jardineiro a podar, o fdp do fiscal... da prefeitura... aparece sabe-se lá de onde para me multar, fdp! Ninguém consegue mais viver aqui, a cidade está se tornando inviável.

Você acha, Valter, que todo mundo tem uma linda praia para caminhar... só os bem bacanas, hahahaha!

Tô acompanhando sim Peri, não vai dar em nada, vamos ter que aguentar este estrupício do prefeito até o fim. Cassar o cara agora seria meio estranho, sei lá, as contas foram aprovadas depois mudou... estranho. E quem não recebe dinheiro de empreiteira?
Não critico o Kassab para justificar a Marta, critico o Kassab pela incapacidade dele, é meio vacilão, ingênuo, meio bobão esta muito dependente do Serra. Parece não ter identidade própria.
É como o SE.Parmera de vocês, tem um presidente que parece bacana, mas não é. Em SP é a mesma coisa, o prefeito parece bacana, mas não é. hahahaha!

Erundina foi uma unanimidade, foi boicotada por todos.

Estamos mesmo nivelando por baixo, Peri, mas, no plano urbanistico, temos JLerner para nos fazer sonhar. Acredito Peri, Valter, que um dia todos provarão o biscoito fino que tanto queremos. Enquanto isso não acontece, vamos levando... porrada.

abração prô'cês.

ficou um texto enorme, desculpe Peri

Anônimo disse...

Peri,

Viva o Jaime Lerner e vivam os arquitetos que acreditam no poder das boas idéias criadas nas pranchetas, e em sua aplicação nas ruas, becos e periferias das cidades.
É bom sentir uma réstea de luz no túnel.

Beijo agradecido

Vivina.

peri s.c. disse...

Helio

Da parte que me toca de sua resposta ao Valter :

1. A Soninha merece nossa atenção e elogios porque ( não necessariamente nessa ordem ) :
- É aqui da ZN, portanto tem aquele saudável e genético caldo cultura vernacular do povo do lado de cá do Tietê.
- É uma fofurinha ( quase escrevi gostosinha ). E apimentada . Combinação muuuito interessante.
- Sem papas na língua, vive arrumando confusão . Lembra quando declarou à Veja que já tinha dado uns tapinhas naquele cigarrinho meio esquisito e foi demitida da Tv Cultura?
- É uma mulher multimídia : VJ,comentarista esportiva, palanques políticos.Haja opinião.
- Corajosa : anda por SP de bicicleta e moto.
- E pouco tem a esconder : agora, uau, posou para a Playboy ! E de graça ! Daqui uns dias vou levar o carro ao mecânico, dar uma regulada no motor e aproveitar para dar uma conferida na revista, eh, eh.

2. Esse rolo de financiamento de campanha não vai dar em nada mesmo.
E a revisão do Plano Diretor também não. Quem sabe um dia ...

Da parte que não me toca :

3. Você e seu jardineiro deram sorte que foi o fiscal da Prefeitura, se fosse o pessoal da Polícia Florestal vocês iriam em cana, como quase aconteceu aqui na minha rua. É crime cidadãos encostarem a mão em árvores, só os órgãos públicos é que podem. Aí ... as árvores caem na cabeça dos cidadãos.
São Paulo tem poucas árvores, até nesse setor a Prefeitura é absolutamente ineficiente.

4. Erundina , creio que ela foi o maior exemplo de preconceito público que tivemos, já que unia quatro fatores delicados : mulher , não é bonita, não é rica e é nordestina .
Sempre me pergunto onde estavam , na gestão Erundina, os petistas que hoje à qualquer crítica ao Sr. Presidente, se enfurecem e bradam que estas críticas são puro preconceito ao nordestino, blá, blá, blá...

5. Quanto maior o comentário, melhor, Hélio. Blog sem comentários, ou com comentários burocráticos, é é uma tristeza.
Aqui tenho alegrias graças à vocês, comentaristas de fino trato.

abração

peri s.c. disse...

Vvina

O sonho é uma característica da profissão.
Hummm ... ou era, nas turmas da minha geração .

Hoje são poucos os resistem à banalização e à cooptação do contexto mercadológico sem idéias ou ideais que rola por aí.
Na minha época de estudante o sonho era conhecer a Piazza del Campo de Siena, a Piazza della Signoria de Firenze ou a Piazza San Marco em Veneza, hoje querem ir a Miami.

beijos

valter ferraz disse...

Peri,
da parte que me toca:
vivo na praia e não sou bacana (aliás, pouco vou à praia propriamente dita apesar de morar à oitocentos metros dela). Saí de Sampa meio fugido da violência e mais ainda banido pelas imposições financeiras (foi o único lugar em que podia comprar uma casa à prestação com a pequena entrada possível com a indenização obtida pelo pdv da Aninha na finada bcp, hoje Claro).
Enfim, levo vida de bacana, mas sem granana no bolso. (nenhuma crítica, tá Helio?)
Bão, refrescou minha memória.
Ah, mais uma coisa: a tristeza aqui são os arquitetos. Copiam e colam um projeto padrão aprovado na prefeitura. Lá dentro existe um esquema perverso em que a máfia dos engenheiros e arquitetos não deixa passar nada que não seja "feito" por eles. Resultado? uma cidade feia, sem encantos e nem poesia. E com umbaita marzão, uma orla de 22kms. Nenhum atrativo turistico a não ser uma plataforma de pesca cuja reforma se arrasta por mais de vinte anos, fonte de intrigas e corrupção. Voces achavam que isso só tinha aí, né?
Abração

peri s.c. disse...

Valter

Tá tudo dominado !

abração

Lina Faria disse...

Bem, sinto-me na obrigação de informar que Curitiba não é mais essa ilha progressista no urbanismo, que foi.
O atual prefeito, que não é de todo ruim, não acompanhou, assim como os outros tb. não o fizeram.
As estações "tubo" de embarque aos ônibus biarticulados, e de onde enquanto não se sai dele, embarca-se em outro sem pagar outra passagem, não acompanham mais o dinamismo anterior.
Antes o fluxo de ônibus era maior. Agora há uma demora entre um e outro carro, o que faz os tubos se encherem, sobrando gente prá fora, às vezes na chuva.
Há grande investimento em ruas, contornos, tudo para facilitar a vida da "sogra mecânica", o carro, como o chama o Jaime.
Bom síndico, restaurou todos os imóveis do patrimônio Histórico pertencentes à Prefeitura, mas não potencializou a área, como, por exemplo, dar mais estímulo aos proprietários de imóveis históricos.
Foram vencidos, ( o poder público), por um lobby orquestrado pelos magnatas do concreto, onde hoje é PROIBIDO restaurar ou instalar petit-pavé, sob risco de ser preso e processado.
Alegam que dificulta aos deficientes se moverem. Mas, e as passarelas~já não resolvem?
Enfim, está cheia de pecados nossa Curitiba.
Não querendo ser extemporânea, apenas querendo respeito e continuidade às brilhantes soluções do Lerner, fico triste ao ver que seus sucessores parecem querer negá-los todos.
Pena!

O grande pulo do gato do Jaime, era a POTENCIALIZAÇÃO, não apenas tapar buracos.

peri s.c. disse...

Lina

Eu imaginava isso que você relata.
Difícil imaginar um contínuo paraíso urbano.

O grande problema na sucessão política, é a inveja provocada por grandes idéias ou grandes administrações. Nunca dão continuidade , ou desenvolvem o que é bom. Aliás, sempre pioram o que é bom.
E o Jaime provoca muita inveja, note no vídeo, há um tom de ironia quando ele cita que levaram mais de 20 anos para adotar algumas das suas propostas para o Rio.

Eduardo P.L disse...

Peri,

agora que o debate acalmou, vou concordar com o Marcio que tem razão quando se refere a deus e ao diabo, no caso do palestrista!!
Só que em política não tem deus!
Cidade é um organismo vivo. Soluções de 20 anos atrás podem servir, mas já são velhas! Uma pena que políticos não façam só política, e urbanistas e arquitetos planejem e dirijam a vida das urbis!

peri s.c. disse...

De fato Edu, essa necessidade de abraçar a cruz e a caldeirinha é uma triste realidade.
Devemos então ficar atentos na força do abraço que dão na caldeirinha ...