#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

10.10.07

Enquanto isso, na capital federal ...

... terra do trabalho e do suor, farol que ilumina e inspira a nação, funcionário público de alto-nível relaxa das tensões a que são submetidos pelo trabalho diuturno pelo bem-estar da população.


Reprodução da primeira página do Estadão de hoje

25 comentários:

anna disse...

na folha é a mesma cena, só que com a ideli salvatti. é... a veloso abalou a república.

melhor seria se visitassem uns bloggs. o seu por exemplo. assim poderiam saber o que acontece e se pensa fora de versailles.

Unknown disse...

Peri, no Estadão, na Folha, no Armazem, no drops!...afinal coisa de DELEGACIA DE POLÍCIA como foi chamado o senado, ontem....

Anônimo disse...

tb acho um absurdo, mas fora a burrice do carecão fazer isso no meio do plenário, sabendo que podia ser fotografado, mas há tb muita hipocrisia do brasileiro em geral: pedimos cadeia e linchamento público pra esse sujeito, mas imaginem se a mesma punição fosse aplicada a todos aqueles que vêem fotos de mulher nua ou outras coisas do tipo, durante o trabalho...

anna disse...

mas, marcio quem paga meu salário pode me despedir. quem paga os deles não. ainda, espero.

Anônimo disse...

Anna e Eduardo
é um post redundante, mas me assombra a imbecilidade destes caras, como aprofundarei na resposta abaixo ao comentário do Marcio.

Anônimo disse...

Marcio, concordo plenamente :
1. com a burrice do cara ( hilária as entrevistas veiculadas ontem do jornaleiro do Congresso : " não senadores e deputados não virão comprar, mandarão os assessores ..." )
2. E com a questão da hipocrisia, claro, que atire a primeira pedra quem não quer uma "boquinha" no serviço público,quem nunca pagou uma cervejinha pro guarda, quem nunca furou uma fila, quem nunca ultrapassou pela direita ou pelo acostamento, quem nunca estacionou num lugar proibido, et coetera. Ou todos ( todos mesmo ) param com as "espertezas" ou não tem solução a bagaça deste país
3. Só que, Marcio, um mínimo de decoro é necessário e nossos homens públicos, indistintamente, perderam essa noção por completo.

Anônimo disse...

Anna
eles tudo podem

Anônimo disse...

Bom, o renan pagou uma nota para ver (entre outras coisas) ela pelada, agora os consumidores pagarão dé real, e tambem vão ver.

Ou pior, pagamos duas vezes, uma para o renan pagar, e outra a abril.
Se bem que, vamos achar esse material na net de graça, depois voltamos a comentar o "material".

Ricardo Soares disse...

peri, marcinho, nosso novo e veloz blogueiro já matou a pau... o sujeito é burro de fazer isso no plenário... mas deixemos de hipocrisias né???
abs
ricardo
ps. afinal alguém se ilude de que os caras trabalham em brasília ???
ps1. agradeço a gentileza de me linkar... estou fazendo o mesmo...

Anônimo disse...

Sr E.
Ele fez algo mais que apenas ver.

Anônimo disse...

Ricardo,
A burrice é o primeiro palpável raciocínio, mas acho que está além da burrice: a corte acha que não deve satisfações.

Gentileza nada, acompanho teu trabalho faz tempo, você e o NeilSon entraram rapidinho nos meus selecionados favoritos.

Anônimo disse...

Peri, o negócio é ninguém comprar essa Playbot. Ouvi um comentarista da CBN dizendo mais ou menos isso; que, nestes casos, o público costuma, em repersália, não adquirir as resvistas.
Talvez seja verdadeiro, porque ontem passei por uma banca e vi muitos exemplares sobrando.
Grande abraço
PS - Agora, que apesar do fotoshop que deve ter ajudado muito, a mocinha é muito bonita, independente de qualquer coisa.
PS2 - Gostei muito do post dos grafiteiros. Pelo menos neste caso tiveram bom gosto.

Anônimo disse...

Adelino
- Acho que o público gosta mais das gostosas televisivas, pouco ligam para as gostosas oportunistas. Dizem os maldosos que ela tem um longo currículum político.

- Grande diferença entre grafiteiros e pichadores, os primeiros são artistas e enriquecem o visual das cidades.

GUGA ALAYON disse...

A Abril não é boba. Tá vendendo pra caceta, ou pros K-7s, se preferirem.
abç

Lord Broken Pottery disse...

Peri,
Nào sou contra à curiosidade que a Mônica provoca em Brasília. Ela é humana (os dois: a Mônica, super, e a curiosidade). Se além de dar uma espiadinha na Internet, fizessem alguma coisa por nós, ninguém estaria aqui reclamando.
Abraço

Anônimo disse...

Guga
A ação da Abril propiciou um belo Masturbation Day nos banheiros senatoriais e deputadoriais, masculinos e femininos

Anônimo disse...

Lord,
Nada contra a curiosidade, até eu, quase um monge, fui dar uma molhadinha, digo, olhadinha.
Mas .... acho muita cara de pau esses senadores e senadoras ficarem olhando as fotos no plenário. O que permite algumas leituras, entre elas, até que fizeram de propósito sabendo dos 250 fotógrafos eternamente de plantão. Sabe lá com quais desígnios.

Claudio Boczon disse...

achei interessante um cartório de protestos (ou algo assim) publicar em jornal no dia seguinte ao lançamento da revista um edital de intimação para a tal Mônica pagar uma dívida de 50 paus e uns quebrados...

...na certeza de que agora, com o michê da Abril, ela não tem desculpa para não quitar a dívida.

só não lembro onde foi que vi isso.

jayme disse...

O parlamentar em questão está elaborando um projeto estabelecendo o tombamento das bundas. Aquilo é pesquisa de campo.

Anônimo disse...

Boczon
também vi esta notícia, acho que lá no Drops do eduardo P.L.

Anônimo disse...

Jayme
Tombamento de bundas e derrubadas de xoxotas.
Aguardo a definição dos critérios para definir o que é tombável ou derrubável.

anna disse...

tombavel e derrubavel... isso já acontece expontâneamente peri's.

o tempo se encarrega disso.

Anônimo disse...

Anna
o tempo e a Lei da Gravidade.

Ana Moraes disse...

Ha, ha, ha, essa da Anna foi boa!
O problema não é a Monica posar, não é o povo ver, é a gente pagar a conta dessa merda toda que continua. Com Mônica na Playboy ou não, a conta continua sendo paga por nós..Mas como o humor do brasileiro não guenta...dá-lhe Monicão - soube que foi o recorde de photoshop da playboy. Será?

Anônimo disse...

Ana
Provável record photoshopístico. Deve ter aumentado os custos de produção.