#Header1 { display:none; } #header-wrapper { display:none; }

16.3.07

Uau, Wolinski




Wolinski, um cartunista da ( boa ) época em que ser politicamente correto significava descer o cacete indistintamente em tudo . Um cuidadoso analista das relações homem-mulher. As autoridades francesas ( liberté, equalité, fraternité... pero no mucho ) não gostavam muito e apreendiam sua revista Hara-Kiri semana sim , semana não . Tão escrachado quanto o Jaguar.
Abaixo uma das capas da revista.





11 comentários:

valter ferraz disse...

Peri, teu post e o meu tudo a ver.
Vai lá meu chapa, vai.
Abraço grande

peri s.c. disse...

Quase, Walter.

Lord Broken Pottery disse...

Peri,
Me lembrou o Henfill. Boa lembrança!
Abração

peri s.c. disse...

Lord, farinhas do mesmo saco. Digo, da mesma época. Deve ter te lembrado o Henfil pela concisão do traço. Henfil desenhava melhor que Wolinski.
Vou procurar alguma coisa do Henfil para colocar aqui. O Wolinski tem historietas incríveis, mas com muito texto, o que impossibilita a publicação nestas janelinhas do blog.

valter ferraz disse...

Peri, legal vc colocar alguma coisa do Henfil. Faz um contraponto interessante com o Wolinski. Acho que se complementam. No traço parecido os poucos textos do Henfil diziam tudo. Quando digo que vivemos uma época pobre...
Abraço

peri s.c. disse...

Valter
Selecionando, então.

Lord Broken Pottery disse...

Peri,
Concordo com o Valter, ou será velhice, saudosismo? Vivemos uma época pobre: tem tanta gente que partiu... Aguardo a volta do Henfil, não do irmão dele (outro cara bacana).
Abraço

peri s.c. disse...

Lord,
nos acusarão de saudosismo, mas tivemos a felicidade de passar nossa juventude numa fase muito mais efervescente e criativa em todos os campos e aspectos ( exceto em ciência/tecnologia, óbvio ). Pensávamos, encantados, em mudar o mundo.
Tentamos alguma coisa, parece que não deu muito certo, as estruturas políticas-econômicas são muito sólidas,e o ser humano na verdade não gosta de mudanças, fazer o que.

Ah, e andávamos pelas ruas sem grandes medos,parávamos nas esquinas para intermináveis papos com os amigos na volta da escola, não existiam shoppings nem mcdonald's, era possível namorar no portão
ou tranquilamente no carro à noite no Ibirapuera, etc, etc, etc, etc. Uma outra qualidade nos vários ritos de passagem que temos pela vida .

GUGA ALAYON disse...

Lembro bem do Wolinski na playboy. Outro muito fera: Sempé

peri s.c. disse...

Ôpa, Sempè !
Acho que tenho um livrinho dele! Procurar, procurar!

GUGA ALAYON disse...

Eu tenho um massa. Vou postear algo em suas homenagens. abç